quarta-feira, 18 de outubro de 2017

COMBATE ESPIRITUAL!

Fala-se muito no diabo como que seja uma qualquer horrível criatura. Será que o é? Será que o diabo é, de facto, uma criatura? Não será, antes, um estado de espírito? Um mau pensamento e atitude  que nos sai do coração?
O diabo tenta, tentou-me, dizemos muitas vezes!
Mas… o que será, de facto, o diabo?
Quando era mais jovem entrava-me tudo isto na cabeça… e eu até admitia as minhas burrices todas como obra do diabo!
É muito mais fácil para nós podermos colocar as nossas próprias culpas em alguém, e quando esse alguém é o diabo, não ralha connosco nem diz nada… é melhor culpá-lo a ele do que seja a quem for!
Mas… quem é o diabo?
Já tenho muitos anos, mas quantos mais anos passam menos sei responder a esta questão tão difícil.
Há dias deparei com uma pequena meditação do padre São Pio de Pietrelcina de que gostei demais:
«»
O lugar do combate espiritual
O lugar do combate entre Deus e Satanás é a alma humana em cada instante da vida. É por conseguinte necessário que a alma dê livre acesso ao Senhor, para que Ele a fortaleça de todas as maneiras e com todo o tipo de armas. Deste modo, a luz de Deus poderá iluminá-la, para melhor combater as trevas do erro. Revestida de Cristo (Gal 3,27), da sua verdade e da sua justiça, protegida com o escudo da fé e da palavra de Deus, ela vencerá os seus inimigos, por muito poderosos que estes sejam (Ef 6,13s). Mas, para uma pessoa se revestir de Cristo, tem de morrer para si mesma.
«»
São Pio diz que o lugar do combate entre Deus e Satanás é a alma humana, ou seja, é cada um ou uma de nós onde o bem/Deus e o mal/Satanás ou diabo coabitam, e lutam, dentro de nós, no nosso interior!
Então… o nosso interior será assim como um jardim, onde as ervas ruins só crescem se não tratarmos bem dele, se não as arrancarmos quando convém!
As flores… serão as nossas qualidades que gerem boa atitudes; as ervas ruins serão os nossos defeitos geradores das nossas más acções.
O adubo com que podemos tratar as nossas qualidades é a Oração e escuta da Palavra de Deus e a vivência os sacramentos.
Se somos livres de nos comportarmos como desejamos… demos a mão a Deus que nos quer ajudar! Rezemos e coloquemos na vida os ensinamentos da Palavra de Deus e nada nos poderá desviar do caminho que nos convém, porque, deste modo, Deus tem a possibilidade de nos ajudar sem quaisquer rodeios!
Deus é tão bom e respeita tanto a liberdade humana que faz tudo pelos homens e mulheres… se esses homens e mulheres o desejarem.
Desejemos o bem que o Espírito Santo de Deus nos ajudará a praticar o bem e a sermos bons.

HN

sábado, 14 de outubro de 2017

CORPO… MEMBROS!...

Quando mais jovem isto de me dizerem que Jesus Cristo é a cabeça de um corpo do que nós somos os membros fazia-me muita diferença, eu não percebia.
Pois os anos foram passando… e ainda não percebo! Nem sei se virei a perceber como convém! Faz parte da minha fé!
Se Jesus o diz… é porque é verdade!
E que é verdade, a minha inteligência não compreende, mas o meu coração sente… quando uma imensa paz interior me vai inundando a alma… que nunca se sente só em situação alguma!
Se há momentos de escuridão interior… os raios de luz surgem não sei de onde, mas surgem… a iluminar-me o caminho!
Hugo de São-Victor nos ‘Tratados dos sacramentos da fé cristã diz assim:
«»
«Quem vos escuta, escuta-me a Mim, e quem vos rejeita, rejeita-Me a Mim»

Assim como a respiração do homem passa pela cabeça, para descer até aos membros e os vivificar, assim também o Espírito Santo vem aos cristãos por Cristo. A cabeça é Cristo, os membros são os cristãos. Há uma cabeça e numerosos membros, um só corpo, formado pela cabeça e pelos membros, e neste único corpo um único Espírito, que está em plenitude na cabeça e de forma participada nos membros. Assim, pois, se há um só corpo, há também um só Espírito. Quem não está no corpo não pode ser vivificado pelo Espírito, segundo esta palavra da Escritura: «Se alguém não tem o Espírito de Cristo, não Lhe pertence» (Rom 8,9). Porque aquele que não tem o Espírito de Cristo não é membro de Cristo.
Aquilo que faz parte do corpo não está morto; aquilo que está separado do corpo não está vivo. É pela fé que nos tornamos membros; é pelo amor que somos vivificados. Pela fé, recebemos a unidade; pela caridade, recebemos a vida. O sacramento do batismo une-nos; e o Corpo e o Sangue de Cristo vivificam-nos. Pelo batismo, tornamo-nos membros do Corpo; pelo Corpo de Cristo, participamos na sua vida.
«»
Sinto profundamente que esta meditação é maravilhosamente verídica… não me perguntem porquê, porque não sei explicar!
São as tais coisas que só a fé entende… e só conseguiremos integrá-las na vida e viver segundo as suas exigências pelo dom da fé!
Daí eu ter tanto dó das pessoas que procedem tão mal e fazem sofrer tanto as outras pessoas!
Assim como eu sou o que sou sem o compreender… essas pessoas… se tivessem recebido as graças que me foram sendo dadas… talvez… quem sabe… fossem bem melhores do que eu aparento ser!
Caridade, Senhor! Ajuda-nos a descobrir-Te nas andanças da vida… e a reconhecer a nossa imensa fragilidade e pequenez!
Tem compaixão de todos os homens e mulheres, Senhor!

Que sempre sejas louvado!
HN

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

CRUZ… FONTE DE LUZ E DE VIDA!

Normalmente ficamos perturbados quando se fala de cruz! E surge-nos de imediato a horrenda morte de Jesus Cristo e a Sua dificílima subida até ao Calvário!
Não consigo compreender como olhavam a Cruz antes da morte deste inocente carregado de todas as maldades da Humanidade.
A CRUZ! Duas hastes: vertical… com Jesus estendido… ao alto… a unir Deus aos homens; e horizontal… com os braços de Jesus amarrados como que a querer unir os homens entre si!
Que bela é a CRUZ!
São João Crisóstomo diz:
«»
Foi a cruz que reconciliou os homens com Deus, que fez da Terra um Céu, que uniu os homens aos anjos. Ela derrubou a cidadela da morte, destruiu o poder do demónio, libertou a Terra do mal, estabeleceu os fundamentos da Igreja. A cruz é a vontade do Pai, a glória do Filho, o júbilo do Espírito Santo. [...]

A cruz é mais brilhante que o sol porque, quando o sol se turva, a cruz resplandece; e o sol turva-se, não no sentido de ser aniquilado, mas de ser vencido pelo esplendor da cruz. A cruz rasgou a ata da nossa condenação, quebrou as cadeias da morte. A cruz é a manifestação do amor de Deus: «Deus amou tanto o mundo que entregou o seu Filho Unigénito, para que todo o homem que acredita nele não pereça.»
A cruz abriu o paraíso, deixou que nele entrasse o malfeitor (Lc 23,43) e conduziu ao Reino dos Céus a criatura humana, destinada à morte.

«»
A Humanidade… as criaturas… criadas à imagem e semelhança de Deus… não podem ter sido criadas por Deus para a morte, mas para a VIDA!
Foi a fragilidade das criaturas que as fez mortas… e que Jesus veio restituir à VIDA.
Quis partilhar o texto todo! Não obstante o último parágrafo do texto me deixar deveras intrigada, muito intrigada mesmo! Não!!! Deus Pai Misericordioso, Compassivo e Justo, não pode ter criado a Humanidade para a morte, mas para a VIDA, para viver com ELE para sempre!
A justiça de Deus é o AMOR! E se assim é… o AMOR não exclui ninguém… a não ser que alguém, de facto, queira ser excluído!
Que a Sabedoria de Deus nos ajude a ver e sentir o que os nossos olhos e corações, sozinhos, nunca serão capazes!
A CRUZ é fonte de luz e de vida!
Amemos a Cruz, supremo sinal de Amor de Deus pelos homens!
E não nos lamentemos pelos sofrimentos que nos aparecerem, pois Jesus, inocente, sofreu bem mais por nós!
Que sempre seja louvado!

HN

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

TÃO LINDO!... MARAVILHOSO!

Guardei faz tempo, para partilhar!
É um texto meditação referente ao Evangelho que fala da cura do servo do centurião, escrito por Santo Agostinho!
Vamos ler:
«»

«Senhor, não mereço que entres em minha casa»
Na leitura do Evangelho, ouvimos Jesus louvar a nossa fé, associada à humildade. Quando prometeu ir a casa do centurião curar-lhe o servo, este respondeu: «Não mereço que entres em minha casa [...]. Mas diz uma palavra e o meu servo será curado». Ao considerar-se indigno, revela-se digno – digno não só de que Cristo entre em sua casa, mas também no seu coração. [...]
Pois não teria sido para ele grande alegria se o Senhor Jesus tivesse entrado em sua casa sem entrar no seu coração. Com efeito, Cristo, Mestre de humildade pelo seu exemplo e pelas suas palavras, sentou-Se à mesa em casa de um fariseu orgulhoso chamado Simão (Lc 7,36ss.); mas, embora Se sentasse à sua mesa, não entrou no seu coração: aí, «o Filho do Homem não tinha onde reclinar a cabeça» (Lc 9,58). Pelo contrário, não entra em casa do centurião, mas entra no seu coração. [...]
Por conseguinte, é a fé unida à humildade que o Senhor elogia neste centurião. Quando este diz: «Não mereço que entres em minha casa», o Senhor responde: «Digo-vos que nem mesmo em Israel encontrei tão grande fé». [...] O Senhor veio ao povo de Israel segundo a carne, para procurar primeiramente neste povo a sua ovelha perdida (cf Lc 15,4). [...] Nós, como homens, não podemos medir a fé dos homens. Foi Aquele que vê o fundo dos corações, Aquele a quem ninguém engana, que testemunhou como era o coração deste homem; ao ouvir as suas palavras repletas de humildade, responde-lhe com uma palavra que cura.
«»
Belo… maravilhoso… profundo… atraente… construtivo… não sei que mais dizer desta meditação que me encantou por demais… me encanta sempre que a leio… e não me canso de a ler e de pensar muito nela!
Entrar em casa… no material que se vê… não é, de todo o mais importante, mas entrar no coração e renovar a vida, curar!
O que me diz este pouquinho é que pouco vale ir às igrejas, procissões, andar de cabeça baixa a aparentar uma grande interioridade se realmente não há boas obras a sair do coração, a nascer do coração, ou seja, a sair de um amor profundo a Deus e aos irmãos!
Um amor que tudo compreende até as atitudes que parecem mais disparatadas, pois com Deus tudo serve para aprender a crescer na fé e no amor!
Fé… acreditar! Humildade… reconhecer que somos humanos, e como tal, erramos, necessitamos do perdão e ajuda de Deus para conseguirmos converter as nossas acções menos dignas em atitudes dignificantes!
Que Deus nos ajude!
HN 

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

OBEDECER A DEUS…

Á imitação de Jesus, obedecer a Deus não é cumprir o que vem escrito na Bíblia ou uma ou outra regra que a Igreja Católica nos apresenta… é muito mais do que isso!
Aliás… Jesus Cristo, a Quem devemos seguir as pegadas, na medida em que ia contra um sem número de regras do Seu tempo foi sempre um autêntico desregrado!
Cada tempo tem suas regras… suas necessidades… seus jeitos de ser e de estar!
A própria Bíblia, com todo o respeito e veneração que lhe vou votando a cada dia, pois vejo nela a luz dos meus caminhos, tem de ser muito bem interpretada, com Amor desmedido parecido com o desmedido e misericordioso Amor que Deus/AMOR tem por nós.
Ouve-se dizer imensas vezes que a Palavra de Deus é uma ‘Eterna novidade’!
Nunca senti no meu coração e vida tamanha verdade!
As mesmas palavras bíblicas lidas faz muito tempo… não tinham a conotação que hoje lhes dou! E tenho a certeza de que, se me for concedido andar por aqui mais alguns anitos… as mesmas palavras me continuarão a dizer coisas diferentes e bem adequadas ao meu crescimento para mim mesma, para Deus e para a Humanidade!
Então… o que será obedecer a Deus?
Santa Teresa Benedita da Cruz diz:
«»
Obedientes ao Pai, a imitação do Filho
«Seja feita a vossa vontade!» (Mt 6,10) Isto resume toda a vida do Salvador. Ele veio ao mundo para fazer a vontade do Pai, não apenas para expiar o pecado de desobediência com a sua obediência (Rom 5,19), mas também para conduzir os homens à sua vocação no caminho da obediência.
A vontade dos seres criados não está feita para ser livre sendo senhora de si própria; está chamada a conformar-se com a vontade de Deus. Se com ela se conformar por submissão livre, é-lhe dado participar livremente no aperfeiçoamento da criação. Se se recusar a fazê-lo, a criatura livre perde a sua liberdade. A vontade do homem mantém o livre arbítrio, mas ele é seduzido pelas coisas deste mundo, que puxam por ele e o empurram em direções que o afastam do desenvolvimento da sua natureza tal como Deus a quis, e da finalidade que ele próprio estabeleceu na sua liberdade original. Para além desta liberdade original, perde a segurança da sua resolução, torna-se vago e indeciso, é importunado por dúvidas e escrúpulos, ou fica endurecido no seu desregramento.
Contra isso, não há outro remédio senão seguir a Cristo, o Filho do homem, que, não só obedecia diretamente ao Pai dos Céus, como também Se submeteu aos homens que para Ele representavam a vontade do Pai. A obediência tal como Deus a quis liberta a nossa vontade escrava de todos os laços com as coisas criadas e devolve-lhe a liberdade. É também o caminho para a pureza do coração.
«»
Tenho imensa pena de que grande parte das pessoas não conheça a verdadeira liberdade!
Ser livre não é cada um fazer o que quer, mas o que deve fazer!
Se fomos criados para Amar… tudo o que fizermos contra o Amor é o que habitualmente chamamos de pecado, ou seja, é contra a vontade de Deus a nosso respeito!
Então… obedecer a Deus… é AMAR… incondicionalmente, a toda a gente, sem peso nem medida!
Porque a medida do Amor é Amar sem medida!
Custa… quando se começa! É difícil ir vencendo obstáculos… muito difícil… mas à medida que se vão ultrapassando, a vida toma outro sentido e cor, a cor da verdadeira felicidade!
Que Deus nos ajude a encontrar essa felicidade verdadeira!

HN

domingo, 8 de outubro de 2017

PALAVRAS… O VENTO AS LEVA!

Cada vez mais me convenço de que os gestos são tudo na vida!
Palavras sem gestos ou atitudes concretas, são tão velozes a sair da nossa mente como o vento de um furacão!
E pior do que isso… pelas nossas impensadas incoerências, deixam pensamentos esquisitos na cabeça de quem as escuta.
Sem sombra de dúvida: ‘Palavras… o vento as leva!... E se não são levadas pelo vento é porque já estão bem enraizadas na vida de quem as pronuncia!
Tenho comigo um pequeno escrito da Madre Teresa de Calcutá que diz assim:
«»
Se há coisa que sempre nos garantirá o Céu, são os atos de caridade e de generosidade com que tivermos preenchido a nossa existência. Saberemos jamais o bem que pode fazer um simples sorriso? Proclamamos que Deus acolhe, compreende, perdoa; mas somos a prova viva disso que proclamamos? Os outros detetam em nós esse acolhimento, essa compreensão e esse perdão vivos? Sejamos sinceros nas nossas relações uns com os outros; tenhamos a coragem de nos aceitar uns aos outros tal como somos. Não nos deixemos espantar nem preocupar com os nossos fracassos nem com os fracassos dos outros. Antes, vejamos o bem que há em cada um de nós; descubramo-lo, porque todos nós fomos criados à imagem de Deus.
Não nos esqueçamos de que ainda não somos santos, mas apenas nos esforçamos por sê-lo. Sejamos, pois, extremamente pacientes com os nossos pecados e com as nossas quedas. Não te sirva a língua senão para o bem dos outros, «pois a boca fala do que transborda do coração». Temos de ter alguma coisa no coração para podermos dar; aqueles cuja missão é dar têm primeiro de crescer no conhecimento de Deus.
«»
Muitas vezes… sem pensar… cometemos grandes erros… principalmente quando arriscamos a dizer que o mundo vai mal… que os outros são uns ateus… uns… sei lá o quê?!
Porque temos tanta tendência a culpar os outros dos males que acontecem? Se muitas vezes não conseguimos sequer averiguar os nossos comportamentos… como podemos arriscar a julgar os comportamentos dos outros?
É incompreensível!
Se queremos que o verdadeiro Amor se difunda no coração de todos os homens e mulheres… temos que viver realmente o Amor, que não critica, aceita; e não condena, perdoa!
Como convivemos com as pessoas que não pensam nem reagem como nós?
Não seremos os mais culpados do mundo estar como está?
Que não está mau, de todo, o mundo não está mau… os nossos olhos é que ainda não se abriram para ver as coisas positivas que há no mundo para ir incluindo nas nossas maneiras de ser. Porque… ‘Palavras… o vento as leva!’
Que Deus nos ajude!
Boa semana!

HN

sábado, 7 de outubro de 2017

SEM TIRAR… NEM POR!

Sim! Vou colocar aqui o que disse o Apolonio… em tirar… nem por coisa alguma!
Aqui vai:
«»

"DAR ATENÇÃO AOS OUTROS"

Quando vejo muitas coisas negativas nos noticiários, costumo lembrar das inúmeras obras filantrópicas e sociais que existem no mundo inteiro; das obras caritativas que dão dignidade a milhões de pessoas, que promovem o bem gratuitamente; pensadores que encorajam as pessoas a procurar o melhor de si; cientistas que se prodigalizam para descobrir novas terapias ou melhorar o bem-estar das pessoas.
Existe um mundo do bem que não é muito divulgado nos meios de comunicação, mas que se dissemina de coração em coração.
Participar desse mundo novo e fascinante é uma decisão pessoal para cada um de nós.
Podemos iniciar uma revolução dentro de nós e ao nosso redor se começarmos a dar atenção aos outros.
Dar atenção, cuidar, escutar, compartilhar as necessidades, fazer com que o outro exista dentro de nós.

Abraços
Apolonio
«»
Pois… será uma boa forma de deixarmos de ser umas enormes ‘más línguas’ a dizer mal de tudo e de todos… e que as pessoas, o mundo, está muito mal!
Não está nada muito mal… nós é que não sabemos ver as coisas positivas que existem!
Bom… fico-me por aqui… se não… já não é ‘sem tirar nem por’.
Bom fim de semana!
HN  


quinta-feira, 5 de outubro de 2017

CINCO DE OUTUBRO

Quando era pequena e chegava o cinco de Outubro eu ficava arreliada por demais, pois faltavam apenas dois dias para deixar os meus pais e irmãos e voltar para escola que frequentava, de casa de uns tios, fora da minha localidade!
Foi penoso, mas ensinou-me muitas coisas. Que os pais e irmãos serão sempre os primeiros na lista de prioridades; que os amigos da escola não esquecem; que os amigos de sempre também não; e que, haja o que houver, a terra onde nascemos e passamos os primeiros aninhos de vida nos marca por demais…
A distância era curta, mas longínqua, pois não havia transportes como agora, telefones como agora, internet como agora!
Os tempos mudaram, e ainda bem! Porque naquele tempo era tudo muito mais difícil do que hoje é.
Agora… as pessoas queixam-se de tudo… está tudo mau… tudo é mau… mas não é bem assim!
Há muita bondade espalhada pelo mundo… só que nós temos a mania de olhar sempre para o que é mau em detrimento do que é bom!
Negativismo… que deve ser corrigido… o quanto antes! Pensar positivo ajuda a corrigir muita coisa, ajuda a valorizar o bom comportamento das pessoas, ajuda a crescer como a todos convém!
Este dia memorável deve fazer-nos olhar para trás e em redor, e verificar que todas as pessoas têm comportamentos bons e menos bons… com direito a melhorá-los a cada instante!
E não podemos esquecer que a razão não está nunca numa só cabeça… mas no melhor de todas as cabeças unidas entre si para receber e dar… sempre… o melhor de si mesmas.
E… com República ou sem ela… Viva a verdadeira DEMOCRACIA!

HN

domingo, 1 de outubro de 2017

DESAPEGAR-SE

As palavras apegos e desapegos têm muito que se lhes diga!
Vencer os apegos é desapegar-se!
Mas… desapegar-se… de quê?
Temos uma cabeça e um coração recheados de apegos e desapegos…
Apegos a tudo o que gostamos… e desapegos a tudo o que não gostamos!
Muito embora com a sensação de que nada de mal nos trazem… temos de convir que há apegos que nos estragam a vida por demais. O maior deles é o apego às riquezas.
Quem coloca as riquezas no primeiro lugar da vida… poderá considerar-se um miserável, pois quanto mais dinheiro tem mais dinheiro quer, o que lhe dá uma perda total de liberdade!
Precisamos de dinheiro e haveres para podermos viver, mas só isso, para viver, que é muito diferente de viver para o dinheiro e haveres!...
Um outro tipo de apego muitíssimo mau é o querermos ser sempre apreciados como o melhor de todos, pois prende-nos de tal forma às nossas opiniões e saberes que nos torna escravos delas.
Desapegar-se… é olhar para quem nos rodeia com qualquer que seja a necessidade e tentar remediá-la; é partilhar saberes e haveres; é aceitar o outro como ele é e aprender a ver os seus pensamentos de coração aberto para que todos possam aprender a conhecer-se mutuamente; é esquecer preferências e olhar todas as pessoas afectuosamente; é, amar a toda a gente indefinidamente, vencendo egoísmos e vivendo o amor!
Boa semana, recheada de amor!
HN 

sábado, 30 de setembro de 2017

APRENDER A DIALOGAR

Quando falamos em diálogo, normalmente, pensamos o entendimento!
Claro que o diálogo leva ao entendimento… e a muito mais do que entendimento!
O diálogo leva ao crescimento mútuo!
Quando formos dialogar com alguém temos de, prioritariamente, pensar em escutar com a maior atenção para poder interiorizar o melhor ou pior de cada pessoa, não para criticar, mas para que consigamos um entendimento mútuo a partir do melhor de cada um!
São as diferenças que causam os conflitos, mas se aproveitarmos as diferenças para aprendermos o que mais nos convém, o diálogo será um ponto de partida para o enriquecimento e aprendizagem mútua que acabará com o enriquecimento de todos e de cada um.
O mundo seria bem melhor se soubéssemos dialogar! Se em vez de fazermos do diálogo um debate de ideias para tentar ser o maior ou melhor, aproveitássemos para nós mesmos as melhores ideias das pessoas com quem dialogamos.
Assim, o diálogo seria, não um demonstrar o que de nós é bom para parecermos mais importantes que os demais, mas uma construção de conhecimentos que enriqueceria a todos, e o mundo seria muito mais unido porque a variedade de ideias seria transformada em riqueza comum, pois as diferenças uniriam em vez de separar!
O outro nunca conseguirá exprimir-se se no nosso coração não houver tempo para o escutar e espaço para acolher as suas ideias, no nosso metro quadrado, em qualquer parte onde nos encontremos.
Que consigamos compreender a importância do diálogo, para que possamos aprender a dar-lhe toda a prioridade em todas as circunstâncias da nossa vida.
O nosso coração tem de ter espaço para atender, ouvir e assimilar as ideias do outro(a)… para que possamos ser, na realidade, verdadeiros construtores da paz.
Um bom final de semana de Eleições Autárquicas, favorecendo o diálogo para construir a Paz que o mundo tanto necessita!
HN

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

CONSEGUIR PERDOAR…

Fala-se muito em perdão… mas perdoa-se muito pouco… porque ainda não se conseguiu aprender a doçura do perdão!
Só quem se sente perdoado(a) é capaz de ser movido(a) a perdoar, é capaz de, aos pouquinhos, ir aprendendo a perdoar!
A paz sentida é enorme! Quando o perdão é sincero… sente-se uma paz imensa no perdão que se recebe e no perdão que se dá!
O Apolonio diz:
«»

"PERDOAR COM CORAGEM"

É preciso coragem para saber perdoar com sinceridade.
Há pessoas que afirmam perdoar, mas não têm a coragem de recomeçar o relacionamento rompido. Ou dizem que só perdoam quando o outro reconhecer e corrigir seu erro.
Perdoar com coragem é perdoar antes de tudo em nosso coração, mesmo antes do arrependimento do outro.
Foi o que fez Jesus na cruz. Em meio à sua agonia pediu ao Pai que não levasse em conta o pecado dos seus algozes: "Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem" (Lc 23,34)
O que nos faz ter coragem para perdoar é reconhecer as próprias faltas, é saber que todos somos vulneráveis e que a pessoa que nos feriu não é uma exceção à regra, pois somos todos iguais.
A vida em comunidade requer coragem para perdoar sempre, porque perdoando teremos também a coragem de pedir perdão.
«»
Reactivar o relacionamento rompido não é nada fácil, mas é possível! E quando se consegue… é algo de extraordinário nos nossos sentimentos, no mais íntimo do nosso coração a alegria é exuberante!
Se Deus nos perdoa sempre… tudo quanto fizermos… porque temos tanta relutância em perdoar?
Lembremos o final do Pai-nosso que Jesus nos ensinou… e perdoemos… na certeza de que somos perdoados!
Deus é Perdão e Misericórdia infinita… porque é somente AMOR!
Que sempre seja louvado!
HN


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

CRESCER… EM TUDO!

Quando nos damos conta que existimos nunca poderia passar-nos pela cabeça o quanto Deus vai fazendo em nós!
E não adianta falarmos o que, assim, sem nada mais, porque ninguém nos acreditará!
Temos de sentir em nós a mudança, aos pouquinhos!
Temos de sentir o Amor de Deus em nós, a actuar, nas nossas inúmeras dificuldades para nos alentar e nas nossas felicidades para nos ajudar a ser humildes!
Na nossa miséria humana, nós não merecemos o quanto Deus vai fazendo por nós e que muitas vezes nem sequer temos a dita de Lhe dizer obrigada!
Fala-se muito em crescer na fé, mas ninguém o consegue fazer sem uma ajuda muito grande de Deus, sem a Palavra Viva de Deus que é Jesus, e sem a força do Espírito Santo de Deus que é o Amor entre o Pai e o Filho!
O Apolonio diz assim:
«» 
"CRESCER NA FÉ"
Quem vive pedindo sinais a Deus tem uma fé infantil ou, no mínimo, tem uma fé igual à de Tomé, que só acreditou na ressurreição quando viu as chagas de Jesus ao vivo.
Crescer na fé é acreditar no amor de Deus em todas as situações. As oferendas e os sacrifícios são benéficos para a alma somente quando não pedimos nada em troca, mas os fazemos para sermos pessoas melhores, que vivem o desapego das coisas passageiras.
Cresce na fé quem multiplica os gestos de amor e não quem multiplica as orações e penitências.
Viver para o outro é, em síntese, a melhor mortificação e o melhor modo para assegurar o crescimento espiritual.
Não esperemos sinais prodigiosos, pois o maior sinal Deus já realizou, a ressurreição de Jesus.
Agora, mudemos também nós da morte para a vida. Isso é crescer na fé.
«»
Cresce-se na fé, assim, vivendo em harmonia, compreensão, dádiva, fraternidade, união…
Sós… por mais que nos esforcemos, nunca poderemos crescer como Deus quer.
Fomos criados para viver em sociedade!
Então… unamo-nos… numa sociedade de verdade, justiça e amor!
A continuação de uma boa semana!

HN

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

MELHOR FALAR… OU OUVIR?


Engraçado! Gasto muitos minutos a ouvir!
Sempre gastei… e cada vez tenho mais vontade de gastar!
Enquanto oiço, penso, interiorizo, escolho, opino, decido... ou tento decidir!
E ainda que as decisões não sejam firmes de todo, à medida que se vão tomando vão se firmando a cada pequenino passo.
A vida é mesmo assim. Uma luta constante. E se deixa de ser constante, a vida deixa de ser uma vida activa e merecedora do nome que Deus lhe deu.
Mas quando falo… nas vezes que falo… que não são assim tantas… a paz não é a mesma!
Preocupa-me a maneira como falo… o que digo, se é o que devo ou nem tanto assim… é o pensar no que pensa quem me ouve, se realmente vai ajudar a crescer ou se deixa as pessoas ainda mais complexadas…
É muito complicado! Complicado mesmo!
Hoje, chegou-me um comentário do EQ que me ajudou bastante, ou vai ajudar! Afinal, a dificuldade em falar já existe há muito tempo e de certeza que nunca mais deixara de existir.
O comentário é atribuído a Santo  Agostinho (anos de 354-430)
«»

«Tende cuidado com a maneira como ouvis»
«Que cada um esteja sempre pronto para escutar, mas seja lento para falar» (Tim 1,19). Sim, irmãos, digo-vos francamente [...], eu que muitas vezes vos falo a vosso pedido: a minha alegria é sem mancha quando me sento entre os ouvintes; a minha alegria é sem mancha quando escuto e não quando falo. É então que saboreio a palavra com toda a segurança, pois a minha satisfação não é ameaçada pela vanglória. Quem pode recear o precipício do orgulho se estiver sentado sobre a pedra sólida da verdade? «Escutarei e encher-me-ás de alegria e de júbilo», diz o salmista (Sl 50,10). É quando escuto que me sinto mais alegre; é o papel de ouvintes que nos mantém numa atitude de humildade.      
Pelo contrário, quando tomamos a palavra, [...] precisamos de uma certa contenção; pois, mesmo que não ceda ao orgulho, tenho receio de o fazer. Mas, se escuto, ninguém me pode roubar a alegria (Jo 16,22), porque ninguém é testemunha dela. É verdadeiramente a alegria do amigo do esposo de quem S. João diz que «fica de pé e escuta» (Jo 3,29). Fica de pé porque escuta. Também o primeiro homem escutava Deus de pé; quando escutou a serpente, caiu. O amigo de esposo fica, pois, «transbordante de alegria à voz do Esposo»; o que faz a sua alegria não é a sua voz de pregador ou de profeta, mas a voz do próprio Esposo.
«»
Continuarei na minha escuta… e a falar o mínimo que possa… e quando o fizer… que o Espírito Santo fale por mim!

HN

domingo, 24 de setembro de 2017

ASSALARIADOS DE ÚLTIMA HORA

Para que o domingo seja realmente Domingo, costumo prestar uma atenção muito especial à Palavra de Deus, principalmente à Leitura e meditação do Evangelho.
Gosto mesmo de ver várias interpretações e maneiras de O olhar, conforme os diferentes oradores, pois é nessas diferenças que melhor encontramos formas de crescer como a todos convém.
A última interpretação que me chegou do Evangelho deste domingo, Mt 20, 16ª, foi através do comentário do Evangelho Quotidiano, de um autor anónimo do século IX e que diz assim:
«»
«Ide vós também para a minha vinha»
Meus bem-amados, perseverai nas boas obras que começastes. [...] Há homens infelizes que servem um rei terreno correndo risco de vida e passando por enormes dificuldades em troca de um benefício que rapidamente desaparece; como não haveis vós de querer servir o Rei do Céu para obter a felicidade do Reino? Uma vez que, pela fé, o Senhor já vos chamou à sua vinha, ou seja, à unidade da Santa Igreja, vivei e comportai-vos de tal maneira que, graças à generosidade de Deus, possais receber a moeda de prata, isto é, a felicidade do Reino dos Céus.
Que ninguém desespere por causa da grandeza dos seus pecados, dizendo: «Numerosos são os pecados nos quais perseverei até à velhice e à velhice extrema; não poderei já obter perdão, sobretudo porque foram os pecados que me deixaram, não fui eu que os rejeitei.» Que essa pessoa não desespere de todo da misericórdia divina, porque uns são chamados à vinha do Senhor à primeira hora, outros à terceira, outros à sexta, outros à nona e outros à décima primeira - ou seja, uns são conduzidos ao serviço de Deus na infância, outros na adolescência, outros na juventude, outros na velhice e outros na velhice extrema.
Que ninguém desespere, pois, se quer converter-se a Deus, seja qual for a sua idade. [...] Trabalhai fielmente na vinha da Igreja, para receberdes o salário da felicidade eterna e reinardes com Cristo por todos os séculos dos séculos.
«»
Maravilhoso, não é?
Ói gente! Que nunca desesperemos, pois o que importa é sermos assalariados do Senhor!
Ainda que na nossa última hora, como Pai compassivo, misericordioso e bom, Ele nos acolherá um dia, como aos demais, nos Seus braços amorosos.
Que sempre seja louvado!
Boa semana!

HN

sábado, 23 de setembro de 2017

FAVORECER A PAZ!

O título não é meu, e o conteúdo também não!
É tudo do Apolonio!
Mas… eu… meditando seriamente em tudo o que li… assenta-me como uma luva!
Por isso, aqui vai:
«»
"FAVORECER A PAZ"

Existem muitas maneiras para favorecer a paz, basta ter atitudes de reconciliação e não ter atitudes beligerantes. Isto é, evitar discussões, fugir de intrigas e não dar ouvidos à maledicência.
Porém,  hoje, eu gostaria de propor um modo bem peculiar de favorecer a paz: fazer silêncio.
Não responder a provocações, ouvir reprovações sem se justificar, aceitar críticas mesmo se injustas e não revidar a ofensas verbais.
Cada vez que consigo ficar em silêncio, evito desgastes nos relacionamentos e não tenho do que me arrepender.
Evitar falar mal dos outros, mesmo que sejam coisas verdadeiras, mas que podem criar uma imagem negativa deles.
Por fim, sugerir momentos de confraternização nos ambientes onde vivemos.
"Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus." (Mt 5,9)

Abraços
Apolonio
«»
Se pensam que é fácil… não é! Mas é possível!
Com avanços e recuos à mistura… e depois que nos parece que tudo está bem... ainda voltamos a asnear… mas lá vamos indo até conseguir… minimamente… ser pequeninos obreiros da paz!
E para isso, nada melhor do que sentir-se ‘Vinha do Senhor’ e trabalhador na mesma vinha!
Que assim seja… e que Deus nos ajude!
Bom final de semana… com muita paz!

HN

terça-feira, 19 de setembro de 2017

LEVANTA-TE!

‘Jovem, Eu te ordeno, levanta-te!’
Estas são palavras retiradas do Evangelho de hoje que nos apresenta o ressurgimento do filho de viúva de Naim (Lc 7, 11,17)!
O comentário do Evangelho Quotidiano é tão expressivo, tão elucidativo, que não resisto a partilhar.
É retirado dos escritos de Santo Ambrósio, Bispo de Milão e Doutor da Igreja.
Vejamos o que nos diz:
«»
«Jovem, Eu te ordeno, levanta-te»
Mesmo que os sintomas da morte tenham afastado por completo a esperança de vida, mesmo que os corpos dos defuntos jazam perto do túmulo, ainda assim, à voz de Deus, os cadáveres preparados para a decomposição voltam a erguer-se, recuperam a fala; o filho é devolvido a sua mãe, é chamado do túmulo, é arrancado ao túmulo. Qual é o teu túmulo? São os teus maus hábitos, é a tua falta de fé. É deste túmulo que Cristo te liberta, é deste túmulo que ressuscitarás, se ouvires a Palavra de Deus. Ainda que o teu pecado seja tão grave, que não consigas lavar-te a ti mesmo pelas lágrimas do arrependimento, a Igreja tua Mãe chorará por ti, ela que intervém a favor de todos os seus filhos, qual mãe viúva por seu único filho. Porque se compadece, por uma espécie de dor espiritual que lhe é natural, ao ver os seus filhos serem conduzidos à morte por pecados fatais. […]
Que ela chore, pois, esta Mãe piedosa, e que a multidão a acompanhe; que não seja apenas uma multidão, mas uma multidão considerável, a compadecer-se desta Mãe terna. Então ressuscitarás do túmulo, dele serás libertado; os carregadores deter-se-ão, começarás a falar como um vivo e todos ficarão estupefactos. O exemplo de um só servirá para corrigir muitos, que louvarão a Deus por nos ter concedido tais remédios para evitarmos a morte.
«»
Isto toca até ao fundo da alma! E quanto mais se medita… mais nos fortalece interior e exteriormente!
Que o Espírito Santo nos conceda o Dom da Sabedoria para podermos compreender tudo quanto o Senhor nos vai dizendo no decorrer dos dias para nos fazer levantar e viver cada vez mais à medida dos gestos e atitudes de Jesus!

HN

domingo, 17 de setembro de 2017

PERDÃO E MISERICÓRDIA!


Andamos um ano a falar de Misericórdia e a aprender a ser misericordioso(a)…mas é um tema que não se esgota.
Fala-se tanto de amor… e ainda se vive tão pouco o amor!
Poderemos dizer que perdão e misericórdia andam de mãos dadas... e querem dizer – AMOR!
Amor sem peso nem medida… porque a medida do amor é amar sempre… sempre… sem cessar! A medida do amor é amar sem medida!
Hoje tive a graça de poder escutar várias homilias, a da Eucaristia em que participei e outras através da comunicação social.
Tantas ideias diferentes e maravilhosas acerca do Perdão… que só existirá de verdade agregado à Misericórdia.
Tenho muitas partilhas a fazer… mas de uma outra vez.
Hoje, quedo-me em mais uma meditação do Apolonio:
«»
"SER MISERICORDIOSO"
A misericórdia é o amor que transborda de nosso coração.
Quem busca entender a essência do amor que se encontra em Deus consegue perdoar sempre.
Ter misericórdia não é somente perdoar; é ter compaixão, ser paciente e saber esperar o tempo do outro.
De todos os matizes do amor, a misericórdia é um dos que agrada muito a Deus, pois Ele a prefere mais que o sacrifício: "Misericórdia é o que quero, e não o sacrifício" (Mt 9,13).
Há quem pense que a miser​i​córdia não combina com a justiça, porque a justiça deve punir. Ora, uma mãe que corrige um filho, não o pune por ódio, mas por amor. E deve corrigi-lo, mesmo se em seu coração já o perdoou. Isso é misericórdia.

«»
Perdão, Misericórdia, Amor… fraternidade, felicidade, harmonia, partilha, escuta, atenção… PAZ…
Todas estas atitudes são de Paz, de muita Paz interior que acaba por se exteriorizar nos minutos dos nossos dias a fazer da nossa comunidade envolvente uma escola de VIDA PLENA, bem ao jeito de Jesus de Nazaré!
Uma boa semana para todos!

HN