quarta-feira, 18 de julho de 2018

SÓ QUEM SE SENTE AMADO... É CAPAZ DE AMAR!


 Por mais que queiramos... nunca conseguiremos dizer o Amor, porque o Amor não se diz, vive-se... ou não se vive!
Nascemos para amar! Mas para amarmos de verdade necessitamos de sentir-nos amados de verdade!
Recordo os aninhos da minha infância em que faltava de tudo, menos Amor! Foi o maravilhoso carinho dos meus pais que fez de mim o que hoje sou!
Num tempo em que tudo se levava aos berros e à porrada, nunca ouvi ralhar nem apanhei um tapa.
Com o tempo fui compreendendo a melhor forma de ser e de viver, com muitos avanços e recuos, mas de meus pais nunca me faltou compreensão, aceitação, responsabilidade, conversas, mimos!
E nunca me lembro ter sido agressiva com ninguém, a não ser depois de bem adulta instada por uma outra pessoa de que não soube escapar-me.
Coisas da vida! A perfeição não existe mesmo!
Mas... há uma época que revolucionou a minha vida!
No meio de muitos cansaços e canseiras, aborrecimentos e desalentos, asneiras e não sei que mais, sempre me voltei para Deus como me ensinaram e exemplificaram meus pais e outros familiares!
Sinceramente... não via nem sentia Deus como hoje sinto, mas como O via naquele tempo, com muito respeito e mais medo que temor!
Mas olhava-O, procurava-O, rezava-Lhe, escrevia muitas coisas a Ele dirigidas.
Até que, por uma imensa graça, depois da visita de um Padre novinho à Escola onde trabalhava, marquei com ele um encontro que me virou do avesso... nunca mais pensei como pensava... vivi como vivia... fui como antes era!
E foi muito fácil! A única coisa que me afirmou é que Deus me amava, assim como eu era, que perdoava e esquecia pois não era como nós!
Saí dali outra pessoa. O ter a certeza do imenso amor de Deus por mim levou-me, aos pouquinhos, a uma modificação total.
De facto, até ali, eu não sabia quem era, realmente, o Deus/Amor que nada mais faz além de Amar sem peso nem medida.
Eu não sabia amar... fui  aprendendo devagarinho... continuo a aprender... e aprenderei até morrer!
E posso afirmar com clareza que quem não se sente amado não consegue amar... como convém!
Saber-me única e irrepetível como, aliás, todas as criaturas... e amada por Deus de uma forma única também, porque sou diferente de toda a gente, ajudou-me a progredir na verdadeira forma de amar.
Não sou perfeita, longe disso, mas nas minhas imperfeiçoes sinto-me fortemente amada a acolhida, e isso faz toda a diferença!
Há um ditado popular muito engraçado que recordo muitas vezes: ‘Não se apanham moscas com pauladas, mas com mel.’
Nunca conseguiremos que as pessoas encontrem o verdadeiro caminho com ralhetes ou críticas, mas com atenção, acolhimento, carinho!
Tenho imensa pena de muitas pessoas que fazem tantas asneiras na vida, pois com toda a certeza que lhes faltou o carinho e atenção necessários para que aprendessem a não proceder assim!
Rezemos por elas!
HN


segunda-feira, 16 de julho de 2018

COMO SER... MISSIONÁRIOS


Achei  demasiado belas as palavras do Papa Francisco acerca da Liturgia da Palavra do passado domingo, pelo que a volto a referir, reforçando dela a palavra bênção!
 A Liturgia da Palavra do passado Domingo é uma verdadeira bênção, e as palavras do Papa são de encantar!
Vamos meditar nelas com toda a atenção:
«»
“O discípulo missionário tem antes de tudo um seu centro de referência, que é a pessoa de Jesus”, como comprova a narrativa pela série de verbos usados a Ele referidos. Assim, seu modo de agir “parece como que irradiando de um centro, a recorrência da presença e da obra de Jesus em sua ação missionária”.
“Isso mostra como os Apóstolos não têm nada de próprio para anunciar, nem própria capacidade de demonstrar, mas falam e agem como “enviados”, como mensageiros de Jesus. É precisamente o Batismo que nos torna missionários. Um batizado que não sente a necessidade de anunciar o Evangelho, de anunciar Jesus, não é um bom cristão”.
Este episódio do Evangelho diz respeito também a todos os batizados, chamados a testemunhar nos vários ambientes da vida, o Evangelho de Cristo:
“E também para nós esta missão é autêntica, somente a partir do seu centro imutável que é Jesus. Não é uma iniciativa individual dos fiéis, nem dos grupos e nem mesmo das grandes agremiações, mas é a missão da Igreja inseparavelmente unida ao seu Senhor. Nenhum cristão proclama o Evangelho “por si mesmo”, mas somente enviado pela Igreja que recebeu o mandato do próprio Cristo”.
“A segunda característica do estilo do missionário é, por assim dizer, um rosto, que consiste na pobreza dos meios”, “seu equipamento atende a um critério de sobriedade”. Por isso, de fato, os Doze têm a ordem de “não levar nada além de um bordão para a jornada: nem pão, nem mochila, nem dinheiro no cinto”:
“O Mestre os quer livres e leves, sem apoios e sem favores, seguros somente do amor d’Aquele que os envia, fortes somente de sua palavra que irão anunciar”.
“O bastão e as sandálias são a dotação dos peregrinos, porque assim são os mensageiros do reino de Deus, não gestores onipotentes, não funcionários estáveis, não divos em turnê.”
Os muitos Santos da Diocese de Roma, tinham este rosto, como São Filipe Neri, São Benedito José Labre, Santo Aléssio, São Gaspar Del Bulfalo e tantos outros. “Não eram funcionários ou empreendedores, mas humildes trabalhadores do Reino”.
Mas a evangelização requer também a coragem, que somente pode ser encontrada se “estivermos unidos a Ele, morto e ressuscitado”:
“E a esse “rosto” também pertence a maneira pela qual a mensagem é acolhida: de fato, pode acontecer que ela não seja acolhida ou escutada. Isso também é pobreza: a experiência do fracasso. A história de Jesus, que foi rejeitado e crucificado, prefigura o destino de seu mensageiro”.
“Que a Virgem Maria, primeira discípula e missionária da Palavra de Deus, nos ajude a levar ao mundo a mensagem do Evangelho em uma exultação humilde e radiante, para além de toda rejeição, incompreensão ou tribulação.”
‘In (Vatican News)’
«»
Pelo Batismo, somos todos chamados a ser discípulos missionários bem ao jeito dos Apóstolos! Não para ir em busca de pregar o Evangelho a outras terras e gentes, isso é para as pessoas consagradas!
Somos chamados a Evangelizar, principalmente pelo exemplo, bondade sabedoria fraternidade aceitação resignação paciência entrega... em todos os segundos da vida quotidiana, desenvolvendo, cada qual, as suas características próprias na missão específica a que for chamada ou chamado!
E, depois de termos reagido como podermos e o melhor que soubermos... restar-nos-á dizer muito simplesmente: ‘Sou um servo inútil ou uma serva inútil, pois fiz o que devia fazer!’
Pela felicidade e realização pessoal e social de todas as pessoas, que o Divino Espírito Santo nos oriente e fortaleça!
HN

domingo, 15 de julho de 2018

MENSAGEM DE BENÇÃO


Na forma como vou apresentar este tema talvez me pensem louca... mas não!
A mensagem deste Domingo 15º do Tempo Comum B, nas suas quatro leituras com Salmo incluído, claro está, é uma enorme bênção para a humanidade inteira!
Deus/Jesus fala para os Profetas e Apóstolos e destes para as pessoas do seu tempo, palavras que vêm direitinhas até nós, pois enviam-nos a nós homens e mulheres, ao encontro da Humanidade, para que seja cada vez mais Humana e feliz!
Jesus não enviou um Apóstolo sozinho, mas de dois a dois, isto é, em comunidade, em grupo!
E isto porque ninguém cresce sozinho, ou caminhamos e crescemos em grupo, ou ficamos estagnados dentro de nós mesmos agarrados ao nosso orgulho.
Quem se convence que anda muito bem porque tem a sua fé, engana-se. A Fé recebe-se como dádiva e partilha-se nas vivências com os irmãos e irmãs que connosco se vão cruzando no decorrer dos dias.
 A Fé, o acreditar, não é próprio do homem, a Fé transcende a Humanidade, é apanágio de Deus, que é Deus único, mas num grupo de três Pessoas distintas, a Trindade; Pai, Filho e Espírito Santo! Se assim é com Deus, muito mais o terá de ser connosco!
Somos seres sociais por excelência, sozinhos nunca valeremos nada, quando acompanhados seremos tudo!
Sabemos que nunca andamos sozinhos, pois Deus/Jesus/Espírito Santo não nos desamparam. Temos sempre connosco a companhia de Deus... de que Jesus um dia disse: “Quando dois ou três estiverem reunidos em Meu nome, Eu estarei no meio deles.
Então... quando estivermos dois... seremos três porque Deus esta no meio de nós!
O que nos diz Evangelizo sobre as leituras de hoje: (Amós 7, 12-15; Salmo 84(85) 9-14; Ef 1, 3-14; Mc 6, 7-13), meditação retirada de São Cirilo de Alexandria, anos 380-441:
«»
Nosso Senhor Jesus Cristo constituiu-os guias e mestres do mundo e «dispensadores dos seus divinos mistérios» (1Cor 4,11) e mandou-lhes que brilhassem como lâmpadas acesas e iluminassem não só o país dos judeus [...], mas tudo o que está debaixo do sol, todos os habitantes da Terra (Mt 5,14). [...]
Com efeito, querendo enviar os seus discípulos como o Pai O tinha enviado a Ele, era necessário que, para poderem imitá-l'O na perfeição, eles compreendessem bem o mandato do Pai ao Filho. Por isso, explicou-lhes de muitas maneiras os objetivos da sua missão. Certa vez, disse-lhes: «Não foram os justos que Eu vim chamar ao arrependimento, mas os pecadores» (Lc 5,32); e ainda: « Desci do Céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade d'Aquele que Me enviou» (Jo 6,38); e doutra vez: «Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele» (Jo 3,17).
Definida assim em poucas palavras a missão dos Apóstolos, explicou-lhes que os enviava como Ele fora enviado pelo Pai, para que soubessem que era seu dever chamar os pecadores à conversão; sarar os enfermos, tanto do corpo como do espírito; nunca procurar a própria vontade, mas a d'Aquele por quem tinham sido enviados; e salvar o mundo com a sua doutrina.
«»
Esta meditação completa a ideia da bênção que nos vem das Leituras Bíblicas deste dia!
Numa das homilias que tive oportunidade de escutar, o sacerdote disse que os cristãos para o mundo devem ser assim como uma Equipa de Futebol, um grupo de pessoas conhecedoras necessitadas e ansiosas de aprofundar e vivenciar a Mensagem de Jesus Cristo nas atitudes de todos os momentos, tal como a Equipa de futebol, cada qual com seus próprios conhecimentos fraquezas e dons e no ambiente circundante em que lhe é dado viver!
A nós, Leigos  que nos pensamos responsáveis, cumpre-nos cristianizar, inundar de Evangelho os nossos ambientes, mais com gestos do que com palavras... mas com tudo o que tivermos ao nosso alcance junto de quem nos estiver mais próximo!
Que o Senhor nos ajude!
Boa semana!
HN

sábado, 14 de julho de 2018

SURPRESAS... MAS QUE SURPRESAS!...


Inacreditável!
Dá impressão que anda tudo trocado!
Os lares de terceira ou quarta idade... cheios... e jovens de vida exuberante a deixar-nos, assim, sem nada que no-lo pudesse anunciar!
Talvez... quem sabe... para nos dizer que, de facto, não somos deste mundo! Ou melhor dito: andamos por aqui como que emprestados... na busca de algo que não compreendemos muito bem... numa tremenda caminhada que pode ser interrompida de qualquer forma e a qualquer momento!
Será... que andamos minimamente preparados para a viagem... sem companhia... e sem retorno?...
De qualquer modo, sim! Onde o Amor reina, onde a ansia de amar compreender aceitar partilhar e conviver é uma constante... há preparação!
Porque... a vida... que aqui começa... continua desse lado que sabemos que existe, mas de onde ninguém nos manda recado algum.
Então... como asneiras todos fazemos e maus comportamentos todos nós temos... há uma máxima que não podemos nunca esquecer, o perdão!
Perdão para nós, e perdão para os demais.
Perdão... compaixão e misericórdia, para com todos, a exemplo do Pai do Céu, até porque Jesus, a Sua Palavra e Vida entre nós  nos disse que só perdoando seremos perdoados!
«»
"PERDOAR REALMENTE ATÉ O FIM"
O rancor deixa a ferida da ofensa aberta. Já o perdão a faz cicatrizar.
Alguns ferimentos cicatrizam sem deixar marcas. São como as ofensas leves, que perdoamos facilmente e esquecemos.
Outros ferimentos são mais profundos e deixam marcas visíveis como cicatriz. A diferença entre a ferida e a cicatriz é que a cicatriz não dói. É o que acontece quando perdoamos uma ofensa grave a alguém. A lembrança estará sempre presente, porém não nos magoa mais pois já a perdoamos, a ferida já sarou em nosso coração.
O Evangelho nos ensina também que devemos admoestar o nosso irmão quando erra. Porém, o nosso amor misericordioso deve ser maior do que a sua falta e maior do que a punição merecida. Só assim conseguiremos perdoar setenta vezes sete, ou seja, perdoar realmente até o fim.
Abraços
Apolonio
«»
Penso que este texto meditativo não necessita mais palavras, pois qualquer explicação será descabida!
Um bom final de semana... e um montão de coragem para quem fica neste mundo sem a maravilhosa companhia daqueles que Deus vai levando... fora de horas... na nossa maneira humana de ver e sentir!
Que sempre seja louvado!
HN

sexta-feira, 13 de julho de 2018

MÁSCARAS... PARA QUÊ


Máscaras... só de Carnaval! E nem sempre! Porque até no Carnaval tem que haver reconhecimento de muitas coisas para que tudo corra muito bem, como sempre se deseja.
Mas... a máscara que esconde o rosto... não é a pior! Normalmente não passa de uma pequena brincadeira!
A máscara... ou máscaras... que nos escondem os comportamentos, essas, sim, são de todo abomináveis!
Sorrisinhos no rosto frente às pessoas... e arrasá-las quando nos viram as costas; dizer que tudo está bem... e pensar ou saber de certeza que tudo está muito mal; eu ajudo... mas só para se fazer de bonzinho ou boazinha; ver uma pessoa errada e não a corrigir carinhosamente como convém; mostrar-se compreensiva... e ser destruidora; sei lá... um sem número de comportamentos que nem vale a pena estar a procurar, pois uma das formas de nos vermos livres das más situações é deixar de lhes dar atenção, deixar de pensar nelas, não as querer de forma alguma!
Mas... temos de convir que as nossas maiores máscaras, falo por mim, claro, não conheço mais ninguém de quem possa falar, são as que usamos de nós para nós mesmos ou mesmas!
É pensarmo-nos boazinhas e não termos coragem de enfrentar as nossas más atitudes, más palavras, caras irritadiças, covardias disfarçadas, sorrisos malandrinhos, pequenas distorções da verdade... sei lá que mais!
É pensar-nos... sem nos reconhecermos tal qual somos!
É desconhecermos que o mais difícil de uma pessoa é ter um conhecimento exato de si mesma.
É não conseguir olhar-se interiormente e assumir as culpas das nossas humanidades... que por muito boazinhas que sejam... nunca passarão de humanidades, com os inerentes defeitos que dali advêm!
Quando me falam na colocação diante de Deus seja para o que for... começo logo por pedir sabedoria,  paz, compreensão e aceitação das minhas fraquezas... muitas vezes difíceis de descobrir e interiorizar  para que possam começar a ser corrigidas... com muitos avanços e recuos... e em pequenos e  míseros pouquinhos!...
«»
"RECONHECER AS PRÓPRIAS DERROTAS COM UM EQUILÍBRIO SADIO"
Quando nos colocamos diante de Deus, devemos estar sem máscaras, pois Ele conhece o nosso íntimo e perscruta os nossos mais recônditos pensamentos. Não como um juiz impiedoso, mas como um Pai amoroso que quer sempre o melhor para seus filhos.
Confessemos os nossos pecados diante Dele, reconheçamos os nossos fracassos todas as vezes que somos vencidos pela tentação da ganância, da soberba e da ira. Peçamos perdão por todas as vezes que colocamos as coisas materiais em primeiro lugar, tomando o lugar de Deus em nosso coração.
Reconheçamos o quanto somos pequenos, falhos e infiéis ao seu amor.
Quando soubermos reconhecer as nossas próprias derrotas com equilíbrio e sem fingimentos, ouviremos ecoar em nosso coração a voz de Deus: "Basta-te a minha graça; pois é na fraqueza que a força se realiza plenamente." (2Cor 12,9)
Abraços
Apolonio
«»
‘Basta-te a minha graça!’
Pois, é na nossa reconhecida fraqueza que se demonstra a força incomensurável de Deus Pai misericordioso compassivo e justo!
Mas... só depois de muitos e inumeráveis treinos... começaremos a despir-nos das nossas máscaras... junto de Deus!
E a pedir-Lhe que nos mostre mais máscaras para retirar!
E a conseguir aceitar que os homens e mulheres que connosco se vão cruzando no decorrer dos dias consigam levantar um pouquinho o véu da nossa existência e apontar-nos algumas máscaras mais visíveis a olho nú!
Muito interessante! A vida é interessante mesmo! E quanto mais vivida, melhor!!! É quando conseguimos olhar-nos ao espelho e ver as máscaras, e  retirar as máscaras para as poder apreciar melhor... até deitá-las no caixote do lixo... receosos de algum dia ainda vir, sem o querer, novamente, a retirá-las de lá... para... oportunamente... as voltar a devolver ao cesto!
Máscaras... para quê?
Para brincarmos com elas até as deixar no lixo de vez, não sabemos bem quando, mas quando o Senhor nos ajudar, pois sem Ele... nada conseguiremos fazer!
Que sempre seja louvado!
HN

quarta-feira, 11 de julho de 2018

SABER... OUVIR!...


Costuma dizer-se que ‘quem ouve... não é surdo!’
Realmente, este, é um facto indiscutível!
Mas... se ouvir toda a gente ouve, saber ouvir, pode parecer fácil, e não o é! Não é mesmo!
Saber ouvir como convém necessita de muito treino e de uma grande preparação!
Muitas vezes, mesmo na vida diária, muitos desentendimentos acontecem por não se ouvir dando uma interpretação correta às  palavras que se escutam.
O tom de voz e a forma como se fala, como se comunica, também têm uma importância muito grande para se prestar a devida atenção à comunicação a receber.
E, se para levarmos uma vida calma e saudável como a todos convém, temos de ter cuidado com o que ouvimos no decorrer de todos os segundos dos dias, há momentos e situações específicas em que se tem de ter um cuidado muito maior!
Há encontros palestras ou mesmo conversas correntes em que necessitamos ouvir, compreender, partilhar vida, aprender... e se não conseguirmos ter a capacidade de interpretar convenientemente o que ouvimos acabamos por distorcer tudo e criar um sem número de problemas difíceis de resolver e algumas vezes sem resolução à vista.
Quando não se compreende o que se ouve, o melhor mesmo é calar até haver oportunidade de uma conversa mais íntima em que se consiga chegar a uma conclusão de entendimento, paz e tranquilidade!
Sem sombra de dúvida, para tudo precisamos de preparação adequada, de aprendizagem precisa, de interiorização e vivências...
«»
São João Crisóstomo (c. 345-407)
presbítero de Antioquia, bispo de Constantinopla, doutor da Igreja
Homilias sobre S. mateus
Porque foi que Jesus não chamou Mateus ao mesmo tempo que Pedro, João e os outros? Tal como veio à Terra apenas quando sentiu que os homens estavam dispostos a obedecer-Lhe, também só chamou Mateus quando soube que ele O seguiria; pela mesma razão, só agarrou Paulo após a ressurreição (At 9). Porque, sondando os corações, penetrando no mais íntimo da alma de cada um, Ele sabia bem em que momento cada um estava disposto a segui-l'O. Se Mateus não foi chamado logo no princípio, foi porque ainda tinha o coração demasiado duro; mas, depois de Jesus ter feito numerosos milagres, e a sua fama ter crescido, já ele estava disposto a escutar o Mestre, e Jesus sabia-o.
Convém ainda admirar a virtude deste apóstolo, que não esconde a sua vida passada. [...] Desempenhava um ofício vergonhoso e os lucros que dele tirava não tinham desculpa. Apesar disso tudo, Jesus chamou-o. Não Se envergonhou de chamar um publicano, tal como não corou por falar a uma prostituta e permitiu mesmo que ela Lhe beijasse os pés e os regasse com as suas lágrimas (Lc 7,36s). Porque, se Ele veio, não foi apenas para tratar dos corpos, mas para curar as almas. Era o que acabava de fazer com o paralítico; depois de ter mostrado claramente que tem poder de perdoar os pecados, vai ter com Mateus, para que as pessoas não fiquem espantadas por O verem escolher um publicano para seu discípulo.
«»
Mais uma vez... temos de prestar muita atenção à forma como Jesus viveu e se comunicou com as pessoas com quem se cruzava no decorrer dos dias terrenos.
A forma como escolheu e como preparou os Apóstolos para os poder chamar a Si, ao Seu trabalho, às Suas orientações, a seguir o Seu modo de ser e de viver!
O crescimento de cada pessoa é especial, não há duas maneiras de ser que sejam iguais, e porque não temos conhecimento exato de ninguém, muitas vezes nem de nós mesmos, temos de aprender a ouvir e interpretar sem responder de imediato seja ao que for, é uma maneira muito especial de evitar confusões e chatices.
Muitas vezes, a mesma forma de ver uma situação é apresentada com palavras diferentes que temos de aprender a compreender e interpretar para podermos aceitar e discutir as opiniões de toda a gente e tirar boas ilações de tudo quanto se ouvir e disser!
Que é difícil... claro que é! Mas com Deus... todos seremos capazes!
Quando falamos em Deus... estamos a falar do Verdadeiro Amor que nos deve orientar todas as atitudes!
Que sempre seja louvado!
HN

terça-feira, 10 de julho de 2018

PARA TUDO TEM QUE HAVER MUITA CALMA

Para tudo tem que haver muita calma, porque a calma e o sucesso andam um pouco de mãos dadas!
Com nervosismos e inquietações não conseguimos chegar a lado nenhum!
Primeiro, porque nos falta tempo e condições para pensar e aceitar o quê e o porquê dos acontecimentos; depois porque, nestas condições, acabamos por agir despropositadamente.
E o que para nós poderia ser motivo de aprendizagem e crescimento interior, acaba por nos levar ainda mais para ‘o fundo do poço’ onde já nos encontrámos.
Em tudo tem que haver moderação, compreensão e entendimento para que a aceitação e renovação de atitudes possa começar a ser uma constante!
Mas... nada se pode fazer sem uma mais perfeita e completa Doação ao Amor, que é o mesmo que dizer a Jesus, a Deus!
Quando se diz que só o Amor renova todas as coisas, estamos a referir-nos a Deus, porque só Deus é Amor e só com Deus e por Deus conseguimos Amar!
Só com Deus conseguimos ter calma para pensar analisar e ver o melhor de tudo e de todos e de encontrar as melhores de todas as atitudes. Porque...
«»
"O AMOR NOS RENOVA A CADA MOMENTO"
"Não há nada de novo debaixo do sol." (Ecl 1,10)
Passam as gerações, mudam as eras do tempo, mas o mundo continua o mesmo. Essa visão nos dá ideia de estabilidade, mas também de uma certa incapacidade do ser humano para mudar as coisas.
Somente o amor é capaz de fazer novas todas as coisas. O amor opera mudanças dentro de nós, por isso cada momento é novo e não se repete.
O amor muda a nossa visão, o nosso olhar, para ver o mundo assim como Deus o vê; muda o nosso querer e o nosso pensar e, sobretudo, o nosso agir.
O amor renova os relacionamentos e não deixa que os sentimentos simplesmente se sedimentem em nossa alma.
Diante de qualquer situação, se não a pudermos mudar, mudemos a nós mesmos através do amor e veremos novas todas as coisas.
Abraços
Apolonio
«»
Sem sombra de dúvida! Demora tempo... mas só mesmo quando conseguimos superar os nervosismos provocados pelas mais asquerosas surpresas descobrimos claramente que e o Amor/Deus. A agir em nós, que nos faz aspirar e atingir estes comportamentos!
Então... calma... muita alma... porque o tempo é de Deus que nos não desampara, e é na nossa maior calma que consegue agir mais e melhor em nós!
Sim! Porque as nossas boas maneiras de ser são sempre obra de Deus... em nós... e connosco!
Que sempre seja louvado!
HN

segunda-feira, 9 de julho de 2018

O LADO BOM DOS INSUCESSOS


Muitas vezes pensamos que somos positivos... mas só pensamos pois na realidade não somos nada positivos!
Porque, ser positivo... exige muita aprendizagem, muito treino, muita aflição, muitos insucessos, muita luta, muita determinação e coragem!
Para mim... foi preciso tudo isto e muito mais!
Talvez, quem sabe, eu seja diferente das demais pessoas!
Todas as vezes que me acontecia algo menos razoável... lá vinha um montão de queixumes... um ‘só a mim é que acontece’... ‘é sempre assim’... ‘nada me dá certo’... ‘porque ‘e que isto tinha de acontecer’... enfim, um sem número de queixinhas e azedumes de que já fui conseguindo escapar... graças a Deus!
Para começar... a todas as minhas rabugices... comecei a chamar de faltas de paciência.
Depois... claro... vinha ‘o Senhor me dê paciência...’ dito vezes sem conta!
Mas não ficou por aí! Quando me convenci de que esses acontecimentos indesejados e por demais aborrecidos eram para treinar a paciência... comecei com uma frase que não me pode esquecer: ‘Senhor, não me dês mais paciência!’ Que era o mesmo que dizer: ‘Senhor, não deixes que me aconteçam mais estas coisas!’
E... enquanto tudo isto... o que eu queria mesmo era ir treinando aceitar os acontecimentos com calma e resignação, sem berrar nem reclamar!...
Custou... mas com avanços e recuos... consegui compreender que essas coisas são o normal de todas as vidas... coisas que temos de aceitar cada vez com mais calma e resignação!
Dali... como a aprendizagem não pode acabar...tinha chegado o momento de ir prestando a maior atenção a tudo... com carinho e vontade de tirar um bom proveito de todas as situações, fossem elas boas ou menos boas!
E aos poucos... fui melhorando a postura face às desventuras e disparates... sentindo a paciência a fluir... e não tardou nada a tirar os mais apetecidos proveitos de todas as situações e a agradecer ao Senhor todas essas dádivas tão importantes para começar a sentir cada vez mais gosto em caminhar de mão dada com Ele.
«»

"DESCOBRIR UM MÍNIMO DE POSITIVO EM CADA INSUCESSO"
Cada insucesso é um aprendizado. Isso já é uma coisa positiva que podemos descobrir. Não é um modo de dizer, é uma realidade. Aprendemos, e muito, com os fracassos.
Imagine se um atleta desistisse de sua carreira depois de uma derrota em uma competição. Ao contrário, ele treina com mais afinco e se prepara melhor para a próxima competição. Aquilo que poderia ser motivo de desistência passa a ser a motivação para ir em frente e melhorar cada vez mais.
A melhor postura depois de um insucesso é aceitar o fato, reconhecer e assumir as próprias falhas e recomeçar.
Outro ponto positivo é descobrir que necessitamos da ajuda de alguém para sermos melhores e mais fortes. Juntos chegamos mais longe.
O positivo mínimo em um insucesso é pensar: Eu tentei. E posso tentar novamente. 
Não amei? Ou amei muito pouco? Posso recomeçar a amar.
Abraços
Apolonio
«»
Foi este texto maravilhoso que me trouxe à memória e me deu vontade de partilhar toda a minha caminhada até à aceitação resignada e paciente de todos os acontecimentos e à enorme aprendizagem e bem-estar interior que este comportamento me tem dado e há de continuar a dar!
É de todo indescritível!
Que muitas vezes há revoltas, claro que há! Mas o interessante é que, em vez de serem discutidas com as pessoas que as provocam, normalmente, são intimamente oradas e faladas com Jesus sempre disposto a nos escutar compreender acarinhar ajudar e esclarecer e levar sempre mais além com o Seu Espírito Santo!
Louvada sejas Trindade Santíssima!
E que nunca me desampares, a mim nem a ninguém, pois cada vez necessito mais de Ti para poder fazer qualquer coisinha de bom.
E quando Te peço algo para mim... no meu coração tenho todas as pessoas que de Ti necessitam, de longe ou de perto, conhecidas e amigas ou não tanto assim!
Protege toda a gente Senhor, se mais não puder ser, como me tens protegido a mim!
HN

domingo, 8 de julho de 2018

DEUS... FORTALECE OS FRACOS!


Que belo Domingo tivemos hoje!
Dia lindo! De Verão a sério!
Bom para darmos uns belos passeios, fazer uns bons piqueniques, admirar a Natureza, e para nos olharmos bem por dentro e gostarmos de nós, assim como somos, com muita vontade de continuar a crescer e ser melhores pessoas a todos os níveis!
«»
"DEUS PODE AGIR SOBRE A NOSSA FRAQUEZA"
Deus aproveita todas as nossas capacidades, não despreza nenhum dos nossos talentos e se alegra se nós os multiplicamos e desenvolvemos como dons recebidos diretamente Dele, sem nenhuma vanglória pessoal.
Maria é o grande exemplo da ação de Deus sobre a pequenez de uma pessoa. Ela, mulher, adolescente, considerada sem valor pela cultura do seu tempo, foi escolhida por Ele para participar do seu plano de redenção do gênero humano.
Mesmo sem entender completamente como aconteceria, ela disse sim ao plano divino.
Olhando para ela, entendemos o que diz Paulo: "O que para o mundo é loucura, Deus escolheu para envergonhar os sábios; o que para o mundo é fraqueza, Deus escolheu para confundir os fortes." (1Cor 1,27)
Abraços
Apolonio
«»
Maria, a Mãe, foi a menina simples de Belém que com Deus se transformou no maior modelo de Mulher e Mãe que a gente tem.
E muitas vezes ainda nos julgamos incapazes de realizar determinadas atividades, porque não temos, como Ele, confiança em Deus, porque não somos capazes de interiorizar que ‘Deus não escolhe os capacitados mas capacita os escolhidos!’
Se nos predispusermos a seguir Jesus/Deus como convém, Ele nos preparará para podermos realizar as tarefas que nos forem confiadas.
E nós ficaremos de todo satisfeitos  e satisfeitas ao sentir bem de perto a mão de Deus a amparar-nos na caminhada!
E então... poderemos aplicar-nos a nós mesmos aquelas maravilhosamente humildes palavras de São Paulo: ‘Quando sou fraco, então é que sou forte!’
Que sejamos fortes, com o Senhor!
Que sempre seja louvado!
HN

sábado, 7 de julho de 2018

SÓ A FÉ NOS PODE SALVAR!




!Jesus curou um paralítico
Curou um paralítico?
Sim, curou um paralítico, naquele tempo, naqueles dias, junto daquelas pessoas que fizeram chegar até nós esse acontecimento... para nos falar sobre Jesus, sobre a Fé em Jesus, a Fé em Deus Pai, a Fé na Trindade!
E os nossos olhos fixam-se no paralítico, que não caminhava. E a nossa boca pede milagres a Jesus, a Sua Mãe, aos Seus santos e santas... pede saúde, bem-estar... emprego, compreensão entre as pessoas... sei lá... quais e quantas coisas mais as pessoas pedem, nós pedimos.
Coisas que Jesus sabe que precisamos e está disposto a dar-nos, se isso for o melhor para nós. Nós esquecemos que Jesus só quer o melhor para nós, e como nós somos melhor conhecidos por Ele do que por nós mesmos, muitas vezes não sabemos o que pedimos e Ele não nos faz o que nos parece que precisamos.
Isto parece muito confuso, mas não é.
Temos que ter consciência de que Alguém nos ama e nos ajuda!
Temos de ter consciência da nossa pequenez e de que não nascemos para este mundo, que estamos de passagem para a Casa do Pai, consciência que só a Fé nos pode dar, porque só a Fé nos pode fortalecer e salvar de praticar o mal nesta vida para que possamos ter uma eternidade feliz na ‘vida’ que está para vir para todos nós, pois a morte é a nossa maior certeza.
«»
São Pedro Crisólogo (c. 406-450)
bispo de Ravena, doutor da Igreja
Sermão 50
Chegou à sua cidade e eis que Lhe apresentaram um paralítico deitado numa enxerga; Jesus, diz o evangelho, vendo a fé daquela gente, disse ao paralítico: «Filho, tem confiança, os teus pecados estão perdoados». O paralítico ouve-O e cala-se; não Lhe agradece. Preferia a cura do corpo à da alma; lamentava os males passageiros do seu corpo doente, mas os males da sua alma, que estava mais doente ainda que o corpo, esses não os chorava. Pois considerava a vida presente mais preciosa do que a vida futura.
Felizmente para ele, Cristo deu apreço à fé dos que Lhe apresentavam o doente e não prestou atenção à estultícia deste. Em resposta à fé dos outros, a alma do paralítico seria curada antes do seu corpo. «Ao ver a fé daquela gente», diz o evangelho. Notai, irmãos, que Deus não Se preocupa com o que querem os homens insensatos, não espera encontrar fé nos ignorantes, não analisa os desejos tolos de um enfermo. Pelo contrário, não Se recusa a ir em socorro da fé dos outros. Esta fé é um presente da graça e articula-se com a vontade de Deus.
«»
Articular a vida com a vontade de Deus é viver da Fé!
Ter consciência de que o nosso interior, que não se vê mas se sente e dá alento a tudo o que somos, é mais importante do que o que vemos de nós, é imperioso!
Será que nós estamos a articular a nossa vida com a vontade do Senhor?
Jesus curou um paralítico. E nós... muitas vezes... o que somos... rodando pelas estradas da vida?
Muitas vezes somos autênticos paralíticos que não conseguimos dar um passo em frente para ultrapassar as dificuldades que nos aparecem. E o pior é que não nos convencemos da nossa paralisia... pois se nos convencêssemos, teríamos a coragem e ousadia de pedir a ajuda de Deus... sempre pronto a ajudar-nos e a proteger-nos, assim o queiramos.
Muitas vezes... nem sequer nos apercebemos desta disponibilidade do Senhor... e que perante tanto Amor Compaixão e Misericórdia, apenas nos basta... querer... aceitar!...
Que o Espírito Santo nos ilumine e fortaleça!
HN

sexta-feira, 6 de julho de 2018

NUNCA TINHA PENSADO NISTO!...


Faz sentido este pequeno texto de São Jerónimo, Presbítero , tradutor da Bíblia e doutor da Igreja, que viveu entre 347 e 420, referente ao Evangelho de São Marcos.
«»
«Não deixou que ninguém O acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e João, irmão de Tiago». Podemos perguntar por que motivo leva Jesus sempre estes discípulos, e deixa os outros. Já quando Se transfigurou no monte estes três O acompanhavam. […] Os escolhidos são Pedro, sobre quem foi construída a Igreja, bem como Tiago, o primeiro apóstolo a receber a palma do martírio, e João, o primeiro a enaltecer a virgindade. […]
«Entrou no local onde jazia a menina, pegou-lhe na mão e disse: "Talitha Kum", que significa: "Menina, Eu te ordeno: levanta-te". Ela ergueu-se imediatamente e começou a andar, pois já tinha doze anos». Desejemos que Jesus nos toque também, e começaremos imediatamente a andar. Por sermos paralíticos ou por termos cometido más ações, deixámos de andar; talvez estejamos deitados na cama dos nossos pecados como em verdadeiro leito. Mas, assim que Jesus nos tocar, ficaremos curados. A sogra de Pedro estava com febre; Jesus tomou-lhe a mão, ela levantou-se e começou imediatamente a servi-los (Mc 1,31). […] «E mandou dar de comer à menina». Pela graça, Senhor, toca-nos na mão, a nós que estamos deitados, levanta-nos do leito dos nossos pecados, faz-nos andar. Quando tivermos começado a andar, manda que nos deem de comer. Deitados, não podemos andar e, se não estivermos de pé, não poderemos receber o corpo de Cristo, a quem pertence a glória, com o Pai e o Espírito Santo, pelos séculos dos séculos.
«»
Por alguma razão se diz que o Evangelho é a Boa Nova, pois de cada vez que se lê e medita nos chama à atenção para coisas diferentes.
Este foi o primeiro texto que li e me apresentou João acompanhando Jesus por ser o primeiro a enaltecer a virgindade. Será que é isto que toca no tão falado criticado e não sei mais que dizer do celibato dos sacerdotes, padres?...
Nada aparece por acaso, tudo tem uma razão, será que é mesmo esta a razão?
Talvez sim... e talvez não!
A mim chamou-me à atenção. Que o Senhor seja louvado, e que tudo aconteça como o que Ele quiser que será sempre o melhor para nós!
HN